Patadas y gambetas

Por que Icardi está longe da Seleção

Tales Torraga

Seis gols em cinco jogos no Campeonato Italiano.

A fase é espetacular. Mas Mauro Icardi, artilheiro e capitão da Inter de Milão com meros 23 anos, não é um jogador de fases. Toda sua carreira é de altíssimo nível.

A cada gol, coloca as mãos atrás dos ouvidos.

Em Buenos Aires, o gesto tem óbvia interpretação: 'Patón, espero seu chamado'.


Para que isso ocorra, há pesadas portas a abrir. Hoje estão bem cerradas.

O primeiro motivo da ausência de Icardi da Seleção é a atual safra de atacantes argentinos, a mais espetacular da história. Sem pensar muito, 11: Dybala, Higuaín, Di María, Lavezzi, Ábila, Alario, Pratto, Lamela, Gaitán, Correa, Mudo Vázquez.

Icardi é espetacular? Os outros também são.

A segunda razão é mais secreta e bem mais sensível.

Todos sabem: Icardi era amigo próximo do casal Maxi López e Wanda Nara, e hoje é ele quem está com Wanda – para aversão de muitos jogadores argentinos.

Uma das piadas mais comuns em Buenos Aires é tratar uma pessoa que mente dizendo que ela 'tem menos códigos que Icardi'. Muy feo, eh?

Os amigos de Maxi López, claro, não dividem ambiente com Icardi.

E o principal caso é o de Javier Mascherano, o Jefecito.

Masche e Maxi são muito chegados. Nasceram juntos para o futebol no River e deixaram o clube no mesmo 2005: Maxi, no Barcelona; Masche, no Corinthians.


Desnecessário falar da importância de Mascherano na Seleção. Em pouco tempo, será o recordista de jogos na história. É o líder do grupo – bem acima até de Messi.

Este cenário bloqueia as chances de Icardi. ''O grupo não fecha a janela a ninguém'', disse Bauza nesta semana, garantindo o atacante da Inter no radar.

Mas sacrificar a convivência, e com tantos outros bons atacantes à disposição, não é nada provável até aqui, principalmente a um esperto canchero como Bauza.

Tais rejeições – craques fora, queremos paz – são constantes na Seleção. Dois exemplos: Tevez na última Copa. E Ramón Díaz, desafeto de Maradona, em 1990.

Icardi foi chamado uma vez para a Seleção: Eliminatórias-2013, com Sabella. Tinha só 20 anos. Veio 2014 e o cruce Wanda/Maxi. E nenhuma chance desde então.