Patadas y gambetas

Time que eliminou o São Paulo já foi assaltado em pleno treinamento

Tales Torraga

Com a queda do São Paulo para o DyJ, só o 14º entre 30 times no Campeonato Argentino, convém relembrar o que foi publicado aqui no UOL Esporte no último 1º de março, manhã em que a equipe chegou para treinar e foi recebida assim.

DyJ comemora gol no Morumbi – Olé/Reprodução

Clube argentino é invadido por homens armados, e jogadores são assaltados
Da EFE, em Buenos Aires
01/03/2017 – 16h10 

A sede do Defensa y Justicia, da primeira divisão do Campeonato Argentino, foi invadida nesta quarta-feira por quatro homens armados, que chegaram a assaltar diversos jogadores do elenco.

A informação foi confirmada por um dirigente da equipe, sediada na província de Buenos Aires.

''Eram quatro homens armados. Não havia muito o que fazer. Entendemos que eles estavam acompanhando os jogadores na entrada no clube'', afirmou Diego Lemme, diretor do Defensa y Justicia, em entrevista à emissora ''TyC Sports''.

Os bandidos levaram dinheiro, celulares, joias, além da caminhonete do meia Gonzalo Castellani.

Segundo Lemme, os assaltantes fugiram no veículo do jogador. A polícia foi chamada e tomou o depoimento dos integrantes do Defensa y Justicia.

O carro já foi recuperado, de acordo com o dirigente, assim como os pertences de Castellani que estavam no interior da caminhonete.

Ainda de acordo com o relato de Lemme, ninguém ficou ferido durante a ação dos criminosos. O diretor do clube ainda descartou que os envolvidos sejam integrantes de torcida organizada.

***
Aqui, quando apresentamos o DyJ no jogo de ida, o alerta estava mais do que dado: a equipe era difícil de ser batida, pois levara o Boca ao limite na Bombonera, e a classificação no campeonato, então um 22º, era mentirosa.

Defensa y Justicia/Twitter

O São Paulo logo soube – e da pior maneira.

Interessante saber também que o Defensa foi fundado em 1935, e que joga a Primeira Divisão do Argentino apenas desde o segundo semestre de 2014. Seu estádio, o Norberto Tomaghello, comporta só 15.000 pessoas. Muito diferente do Morumbi, que já foi o maior estádio particular do mundo.

Foi só a primeira partida do Defensa no exterior, e impossível ter uma estreia fora do país melhor do que eliminar logo de cara o tricampeão mundial São Paulo!

Oposta é também a maneira de formar os elencos. Enquanto o São Paulo tem jogadores de seleção, como Rodrigo Caio, Christian Cueva e Lucas Pratto, o DyJ compõe boa parte de sua equipe com atletas sem espaço nos clubes grandes da Argentina. Dois grandes exemplos são Bouzat, vindo do Boca, e Kaprof, do River.

Autor do gol do 1×1, Castellani, 29, é um desses. Pertence ao Boca – estava emprestado ao Lanús, mas machucou o joelho e acabou no DyJ.

Seu apelido? CasteD10s. Pobre M1TO.

Torcedor fanático do Newell's, Sebastian Beccacece, técnico do DyJ, saiu com esta: ''Queria ganhar do Sao Paulo desde 1992'', lembrando quando a Lepra perdeu aquela Libertadores no Morumbi nos pênaltis.

Ontem, não precisou cobrar nenhum. Ganhou com a bola rolando mesmo.