Patadas y gambetas

Flamengo faz Argentina sofrer maior vexame no Brasil em seis anos

Tales Torraga

O Flamengo fez o difícil ficar fácil. Revertendo a expectativa de equilibrio, o Rubro-Negro simplesmente atropelou o San Lorenzo por 4×0 – e seria 5×0 se Guerrero não recuasse o pênalti cobrado para as mãos do goleiro Torrico.

Tais derrotas não são comuns para os times argentinos. É preciso recuar para 2011, com o Cruzeiro 5×0 Estudiantes também da estreia da fase de grupos, para encontrar um outro placar tão elástico. Aquela partida na Arena do Jacaré teve um quê de vingança. O Estudiantes havia conquistado a Libertadores de dois anos antes em cima do Cruzeiro, em pleno Mineirão.

Houve um outro massacre neste período, o 5×2 do Atlético-MG sobre o Arsenal de Sarandí na Libertadores de 2013 conquistada pelo próprio Atlético. Este jogo ficou famoso pela patada criminosa de Bragheri em Ronaldinho.

Sobre ontem à noite, a Argentina encarou o vexame do Ciclón como um sinal de que o time comandado por Diego Aguirre virou o fio. Não houve atribuição de culpa à falta de ritmo (o San Lorenzo não atua oficialmente desde 17 de dezembro), e sim ao fraco desempenho do meio-campo que não parou o Flamengo e não serviu o ataque formado por Botta e Blandi, com a entrada do veterano Berghessio no final.

Houve muitos elogios também à atuação de Diego, comparado pelos argentinos a Maradona – simples brincadeira com os dois camisas 10 terem o mesmo nome.

Terceiro no Campeonato Argentino, o San Lorenzo recebe o Belgrano neste sábado na retomada – aleluia! – do torneio nacional. A rodada completa está aqui.